sexta-feira, 13 de maio de 2011

Lição 7- Um sermão prático


                                     Um sermão prático

                                                                            Enfoque Bíblico
                                                                      “Felizes são vocês quando os
                                                          Insultam, perseguem e dizem todo
                                                        Tipo de calúnia contra vocês por
                                                              Serem meus seguidores”

                                                Fique alerta

Amados quantas das vezes olhamos e vemos quão difícil é compreendermos e realizarmos os sermões de Deus na nossa vida, podemos pensar como realizar os sermões de Deus na nossa vida?
Sim há como viver em meio ao mundo de violência e adorarmos ao Deus todo Poderoso, e somente nos basearmos nos dias de Noé. Esse homem viveu um dos mais terríveis tempos que a terra já passou, era como se fosse em nossos dias, mais eu vejo algo de especial nesse homem que surpreende a qualquer um que lê a historia deste, ele em meio a prova a luta não parou mais sim continuou, não recuou em meio a ordem de Deus para ele  construir uma arca para salva sua criação( Noé e sua família e um casal de cada espécie de animal). Deus como, Pai não quer ver sua obra prima morta, sua criação, Deus não nos criou para o inferno, mas fez o inferno para o diabo e para aqueles que não andam segundo nosso manual de fé(BÍBLIA).
E interessante meditarmos  “Ele é o pão da vida e começou seu ministério passando fome; Ele é a Água da vida e encerrou seu ministério padecendo sede; Ele esteve cansado e é o nosso descanso; Ele pagou tributo e é o Rei dos reis; Ele orou e ouve nossas orações; Ele chorou e seca as nossas lágrimas; Ele foi vendido por trinta moedas de prata e resgatou-nos; Ele foi preso e dá libertade aos cativos; Ele foi levado como cordeiro ao matadouro e é o nosso Bom Pastor; Ele morreu e deu a sua vida, e morrendo, destruiu a morte”(Jogando luz no Sermão- vl 2)
E nessa lição temos oportunidade de falar sobre os sermões de Cristo e os compreendermos.
Então vamos aprender mais um pouco sobre esse assunto.

                                                  Palavra viva

Imagine como é o céu com bases nas palavras de João, o Céu e lindo. Nós temos uma pouca visão de como é o Céu, mas temos. Agora quero que você imagine como aquele povo pensava como era o Céu e como esse reino seria?
Então o Senhor Jesus Cristo começou explicar sobre esse novo reino em sermões.
E você querido leitor, o que você vai querer escolher?
O reino de Cristo ou o reino do diabo, a dois caminhos para você escolher, qual deles você quer habitar, ei hoje quero te falar dos dois caminhos:
1º O do Senhor: é sim um caminho difícil, mas que conduz a Salvação.
2º O do diabo: é um caminho fácil simples para habitar, mas e num lago de fogo sua habitação, sua eternidade gasta para habitar o inferno.
A duas filas, a fila de um povo que ira para o céu, e uma fila que conduz ao inferno.
Ei leitor hoje você tem a oportunidade de escolher em qual lugar ira habitar, você tem o livre árbitro, mas hoje o Senhor te convida a viver sua eternidade ao lado dELE. Muitas das vezes é sim difícil abrir mão das coisas materiais, mas isso e preciso para aquele que quer habitar no Céu, então você tem em suas mãos o direito de escolha,de escolher qual é o melhor caminho para você, mas pense bem nas consequências, você mais tarde poderá se arrepender, mas não haverá mais tempo, hoje ainda a tempo então pense bem.
                                               As bem-aventuranças
O sermão se inicia com as Nove Bem-Aventuranças, que completam os Dez Mandamentos do Antigo Testamento entregues a Moisés no Monte Sinai. Os Mandamentos do Antigo Testamento determinam o que é proibido fazer e dão um tom de severidade. Os Mandamentos do Novo Testamento, entretanto, apontam o que é necessário ser feito e são impregnados de amor. Os antigos Dez Mandamentos foram escritos em tábuas de pedra e assimilados por meio de estudos. Ao contrario destes, os mandamentos do Novo Testamento foram escritos pelo Espírito Santo nas tábuas do coração dos que acreditam. Aqui está o texto destes perenes mandamentos:
"Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los, dizendo: Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos insultarem e vos perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós por causa de mim.Alegrai-vos e exultai, porque é grande a vossa recompensa nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que existiram antes de vós" (Mateus 5:1-12).
O fato extraordinário sobre as Bem-aventuranças é que cada uma delas começa com a palavra Bem-aventurados. Os mandamentos do Antigo Testamento agem com proibição de certas coisas e ameaçam com castigo enquanto que as Bem-aventuranças encorajam com o bem, convidam à mais alta e infinita alegria junto a Deus.
Desde o tempo que sucumbiu ao pecado de nossos ancestrais, as pessoas perderam a noção da verdadeira felicidade e até a correta noção do que ela é. O verdadeiro sentido da palavra "felicidade" começa a soar como um sonho inacessivel ou ideal inatingível. Porém, Nosso Senhor Jesus Cristo oferece-nos a felicidade, numa realidade específica e acessível. E essa promessa aplica-se não somente à vida futura nos Céus, mas nesta realidade aqui mesmo, quando a pessoa se liberta do fardo do pecado, ganha paz em sua consciência e torna-se capaz de receber a graça do Espírito Santo. É o Espirito Santo que nos dá essa inexplicável alegria que não pode ser comparada com nenhum prazer terreno. Ao lermos sobre as vidas de santos nós percebemos que os autênticos cristãos, no esforço de preservar e fortificar a graça de Deus em suas vidas estavam prontos para sacrificar-se em qualquer situação.
Ao adentrarmos no sentido profundo do significado das Bem-aventuranças, torna-se evidente que elas se formam em determinada seqüência. Elas mostram o caminho da real felicidade e explicam como seguir este caminho. Elas podem ser comparadas a uma escada celeste ou a uma uma sólida edificação das virtudes.
O ponto inicial das Bem-aventuranças é o fato de que qualquer pessoa sem exceção é atormentada pelo pecado e como resultado, fica sentindo-se desamparada e miserável. A tragédia do pecado original de Adão e Eva é a tragédia de toda a humanidade. O pecado anuvia a mente, enfraquece e escraviza a vontade e enche o coração de desgosto e desespero. Por isso é que todo pecador, sente-se infeliz, miserável, sem saber exatamente porque. Pelo seu sofrimento ele está pronto a culpar toda a humanidade e as condições de vida. O primeiro mandamento faz o diagnóstico certo: a causa da infelicidade das pessoas é a sua doença espiritual.
Nosso Senhor Jesus Cristo veio ao mundo para curar as pessoas. Ele chama todos à Deus e à entrar em Seu Eterno Reino para a eterna felicidade. O chamado de Cristo soa como a voz do Pai que ama, pedindo ao filho perdido a voltar para casa. E quando um homem retorna a Deus, ele não carrega uma bagagem de virtudes ou vem acumulado de talentos, ao invés disso, ele volta como o filho pródigo que gastou os bens de seu pai.
A primeira bem-aventurança chama o homem para que ele entenda sua doença espiritual e assim se dirija a Deus para pedir ajuda. Esse primeiro passo é extremamente difícil. Não é fácil ao "filho pródigo" a voltar aos seus sentidos, admitir sua falta e deficiência e voltar atrás. É por isso que é prometida uma grande recompensa somente por este esforço da sua vontade e cumprimento deste bom início: "Bem-aventurados os que são pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus." É extraordinário que da mesma forma que aconteceu a queda do homem no pecado através do orgulho (serão como deuses) a recuperação desse pecado começa com o humilde reconhecimento de sua debilidade.
Pobreza espiritual não é a escassez financeira ou inabilidade emocional. Pelo contrário, os pobres de espírito podem muito bem ser ricos e talentosos. Pobreza espiritual é uma maneira humilde de conduzir o pensamento, é o que resulta do reconhecimento da própria imperfeição. Entretanto, humildade cristã não é desespero e tampouco pessimismo. Pelo contrário, é uma intensa esperança na misericórdia de Deus e na real possibilidade de tornar-se melhor. Ela está imbuida de alegre expectativa de que, com a ajuda de Deus, nos tornaremos Seus filhos virtuosos que O agradam.
O reconhecimento da própria miséria (fraqueza) e o estado de pecado daquele que crê se manifesta no estado de espírito penitente, se assumindo pelas culpas passadas e a intenção de corrigir-se. Um arrependimento sincero não raro acompanhado de lágrimas, é provido de poderosa graça. Ao passar por isso a pessoa sente tanta leveza, como se um pesado fardo lhe fosse tirado dos seus ombros. Esse sincero arrependimento nos direciona à segunda bem-aventurança: "Bem aventurados os que choram, porque serão consolados."
Quando purificamos nossa consciência dos pecados, a harmonia e ordem se aninham no nosso interior e preenchem nosso pensamento, nossos sentidos e nossos desejos. Então uma sensação de apaziguamento e serena alegria tomam o lugar da irritação e da ira. Uma pessoa em tal estado de espírito não sente vontade de brigar com ninguém. Ela prefere perder uma pequena causa do que perder a paz de espírito. Assim, o arrependimento leva o cristão ao terceiro passo em direção à retidão - a humildade: "Bem-aventurados os mansos porque eles herdarão a terra."
Certamente as pessoas maliciosas às vezes usam essa humildade dos cristãos para seu próprio proveito, enganando, roubando ou humilhando. Deus conforta os cristãos dizendo que na vida futura ganharão muito mais do que perdem aqui. Se não fôr nesta vida, então na vida futura a justiça triunfará e os mansos herdarão a terra, o que significa que herdarão todas as bênçãos do mundo renovado onde habitará a verdade.
Por isso, as tres primeiras bem-aventuranças que chamam o povo a se voltar humildemente à Deus em estado de arrependimento e humildade são o alicerce no qual a casa da virtude cristã deverá ser construida.
Da mesma forma que a volta do apetite num doente significa que ele está se recuperando, o desejo para a retidão é o primeiro sinal de recuperação do pecador. Enquanto ele vive em pecado o homem tem sede de prosperidade, dinheiro, reconhecimento e prazeres corporais. Ele nem cogita sobre enriquecimento da alma e até demonstra desprezo pela idéia. Mas quando sua alma está livre da doença do pecado então o homem começa a desejar ardentemente a perfeição espiritual. A quarta bem-aventurança fala sobre essa aspiração à retidão: "Bem-aventurados os que tem fome e sêde por justiça, porque serão saciados."
O desejo para se tornar reto, ou justo, poderá ser comparado com a próxima etapa da construção da casa da virtude - a construção das paredes. Ao usar as palavras fome e sêde o Senhor nos mostra que o nosso anseio à retidão não deverá ser inerte e passivo; pelo contrário, deverá ser ativo e vigoroso. Afinal, um homem faminto não só pensa na comida mas também faz tudo para saciar a fome. De acordo com o Sermão da Montanha, somente um desejo ardente almejando a virtude fará um virtuoso a se saciar.
Subindo ao quarto degrau da virtude o homem já ganhou uma certa experiência espiritual. Tendo recebido o perdão de Deus, tendo recebido a paz de espirito e a alegria de ser adotado filho de Deus o cristão agora nesta etapa já experimentou o Seu infinito amor. E o amor divino lhe aquece o coração que responde com amor a Deus e compaixão ao semelhante. Em outras palavras, ele se torna bondoso e compassivo e dessa forma sobe ao quinto degrau da virtude - a misericórdia: "Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia."
A bem-aventurança da misericórdia é muito rica em significados. A misericórdia deverá se expressar não somente em auxílio material, mas também pelo perdão às ofensas, visita aos doentes, conforto aos aflitos, bons conselhos, palavras de apoio, orações pelos seus semelhantes e muitas outras ações. Literalmente todo dia temos oportunidades de ajudar o próximo. A maior parte são pequenos e aparentemente insignificantes incidentes que passam despercebidos. Mas a sabedoria espiritual de um cristão está na capacidade de não desprezar pequenas boas ações pela grande causa da almejada realização futura.
Os grandes planos muitas vezes não são realizados enquanto que as pequenas boas ações em grandes quantidades se armazenam ao longo da vida formando um significativo patrimônio espiritual.
Esse tipo de amor dinâmico purifica o coração do egoismo e traz o homem mais próximo a Deus, isso de forma tão forte que sua alma se transfigura sob a influencia da luz espiritual. A pessoa começa a sentir no ar a graça divina, e mesmo ainda na vida terrena já percebe Sua presença através dos olhos de seu espirito. Assim, a alma humana se assemelha a um lago, que depois de muitos anos de negligência ficou turvo e cheio de algas, mas quando limpo, a luz do sol penetra em suas águas cristalinas. As pessoas que alcançaram tal pureza da alma são o tema da sexta bem-aventurança: "Bem-aventurados os puros de coração porque verão a Deus
Deus usou homens como instrumento de Sua Providencia para a salvação das pessoas e para este propósito abençoa-os com a sabedoria e alta sensibilidade espiritual. No processo missionário de mostrar o caminho da salvação esses santos homens se assemelham ao Filho de Deus, que veio ao nosso mundo para reconciliar os pecadores com Deus. Essa pacificação espiritual é a idéia central da sétima bem-aventurança: "Bem-aventurados os pacificadores porque serão chamados filhos de Deus." É claro que todos devem procurar ser pacificadores no seu meio familiar e com os amigos, mas a alta forma dessa virtude requer um dom especial, que vem de Deus e que é dado a pessoas de coração puro.
Ao procurar ser semelhante ao Filho de Deus, fazendo o bem, o cristão também deve estar apto para imitar a Sua paciência. As duas últimas bem-aventuranças falam do triste fato de que o mundo imerso no pecado não suporta a retidão por muito tempo e se rebela contra os que a tem: "Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque dêles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos insultarem e vos perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós por causa de mim." Da mesma forma que a luz faz dispersar a escuridão e mostra as coisas como elas são, as vidas virtuosas dos verdadeiros cristãos evidenciam a crueldade moral dos maus. Essa é a razão porque os pecadores odeiam os justos e querem se vingar por sentirem remorso na sua consciência. Podemos ver esse ódio através da História: a história de Caim e Abel e até a presente data, como por exemplo nas perseguições aos cristãos nos países ateus.
As pessoas que tem uma fé fraca receiam demonstrar a sua fé pois temem perseguição por sua convicção religiosa. Mas os verdadeiros justos e mártires assumiram o sofrimento por Cristo com alegria porque seus corações ardiam por amor a Deus. E até se sentiam felizes pela honra de poder sofrer pela fé. Em dias de provação os cristãos devem tomar o exemplo daqueles justos e consolar-se com as palavras de Cristo que prometeu: "Regozijai-vos e exultai, porque é grande a vossa recompensa nos céus," pois quanto mais forte é o amor maior será a recompensa.
.
                                                  O padrão de relacionamento pessoal
’’Vós sois o sal da terra. E se o sal perder sua força, com que outra coisa se há de salgar? Para nada mais fica servindo, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens". (Mateus, 5:13)
O sal é um elemento de grande utilidade em nossas vidas. Além de preservar e dar sabor aos alimentos, exerce em nosso organismo salutar influência para lhe manter o equilíbrio fisiológico. A Química nos ensina que onde quer que o encontremos, seja na terra ou no mar, ele é sempre o mesmo: inalterado, inalterável. Dotado de qualidades essencialmente conservadoras, mantém-se incorruptível, preservando, ainda, os corpos que com ele entram em contato.
Jesus quer que seus discípulos sejam como o sal: elementos preciosos, de grande utilidade, honestos, incorruptíveis e preservadores da dissolução moral no meio em que se encontrarem. E para sermos discípulos de Cristo temos que dar um bom testemunho em qualquer lugar que estivermos que as pessoas reparem em nós a presença de Deus. E você e um discípulo de Cristo?
Nós temos que ser como um farol que brilha a noite, que não tem como se esconder onde quer que estivermos que vejam que somos verdadeiros servos de Cristo, que não temos vergonha de sermos quem sabe até chamados de loucos mais loucos por Cristo. Então vamos ser como aquele farol que fica nas ilhas para que os navios não batam nela, vamos ser como aquela luz encima de edifícios para  que os pilotos a vejam e evitem acidentes, então vamos mostrar que somos de Cristo e não agentes disfarçados.

                                                      A verdadeira religião


O Senhor repugna a atitude arrogante e egocêntrica dos fariseus que “tocavam trombetas” ao esmolar, querendo receber o reconhecimento humano. Eles oravam para serem vistos pela pessoas a sua volta podemos dizer que eles eram como muitos hoje em nossos dias, que acham que o culto só vai ser uma benção se eles estiverem presente, que o culto sem eles nada de especial acontece, estes são os fariseus de nossos dias, mais ele estão completamente errados pois se em nossos cultos dermos lugar para o agir de Deus com ele ou sem eles Deus agi em nosso meio. Os fariseus oravam nas esquinas para ser visto por todos, enquanto Cristo nos ensina para irmos para o nosso quarto e falarmos em secreto com Deus, e aquele momento de intimidade com o Pai Celestial, você tem tirado algum tempo de seu dia para conversa com Deus, ELE sabe de sua necessidade mais Ele quer ouvi-lo falar com Ele, a oração e como um monte de chave que quando dobramos os joelhos abre as portas.
Eles jejuavam e não lavavam o rosto para mostrar que estavam jejuando, e hoje em nossos dias isto continua a acontecer pessoas falam que passaram tantos dias em jejum, não precisamos dizer, mais temos que mostrar em nosso viver que realmente temos nos esvaziarmos da carne e enchendo do Espírito Santo, mostrar no jeito de nos andarmos, no jeito de nos vestir, em tudo temos que ser diferentes. EI não somos nós que temos que falar o que nós fazemos para o Senhor, mas sim as pessoas “dizerem”(falarem) que nós somos diferentes, que nos servimos ao Deus vivo que ainda opera em nosso meio.
A Bíblia diz: “ Busque primeiro o reino de Deus e as demais coisas serão acrescentadas” quantas das vezes as pessoas tem colocado o seu coração no dinheiro, tem se preocupado mais com a vida financeira do que a celestial, quantas da vezes está rica aqui na terra, mas esta pobre espiritualmente. Coloque na sua vida primeiramente o reino de DEUS que as demais coisas vos serão acrescentadas, a Bíblia diz: que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perde a sua alma.
Volto a te perguntar, em qual fila você se encontra?
Na que vai para o céu ou para o inferno. Pense nisso.